Falta de Coronavac altera data de segunda dose de 65 mil pessoas em Salvador

Salvador já soma 65 mil pessoas aguardando na fila para tomar a segunda dose da vacina CoronaVac contra a covid-19. Segundo os dados mais atuais da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), desse total, 54 mil estão com o esquema vacinal atrasado desde 20 de abril e outras 11 mil sequer tem perspectiva da data em que vão receber o reforço do imunizante desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac em parceria, no Brasil, com o Instituto Butantan.

Ao todo, 17 mil pessoas aguardavam para tomar o reforço entre esta terça-feira, 04, e a quarta-feira, 05, mas a prefeitura anunciou a suspensão da imunização com a CoronaVac, mantendo as doses, nesta terça, apenas para quem já estava agendado na modalidade de imunização domiciliar, através do serviço Vacina Express. 

A coordenadora de imunização do Estado, Vânia Rebouças, indica o dia de amanhã como data provável para que novas doses de CoronaVac desembarquem em Salvador. “Ainda durante essa semana estamos na expectativa de chegar mais doses, provavelmente a partir dessa quinta-feira [amanhã, 06]”, disse, na segunda, 03, em entrevista sobre a situação vacinal no estado.

Ainda de acordo com a coordenadora, não há um número indicado de quantas doses chegarão. O Ministério da Saúde (MS) foi procurado para confirmar o envio, mas não respondeu à reportagem até o fechamento desta edição, às 23h de terça-feira, 04.  

Poucas ampolas disponíveis

Há 11.443 pessoas programadas para tomar a segunda dose da CoronaVac entre esta quarta-feira, 05 (7.831), e a quinta-feira, 06 (3.612). Caso haja mais atrasos no envio de novas ampolas, o número de ameaçados de atrasar o esquema vacinal pode chegar a 86 mil pessoas, considerando ainda as 3.613 programadas para tomar a vacina na sexta-feira, 07, as 11.688 de sábado, 08, as 5.124 do domingo, 09; além de 207 programadas para a segunda,10 de maio.  

Salvador recebeu 3.330 doses de Coronavac na quinta, 29 de abril, e mais 4 mil ampolas no sábado, 30, mas não foram suficientes para a demanda

(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Segundo o secretário municipal de Saúde, Léo Prates, havia apenas 900 doses de CoronaVac disponíveis na manhã desta terça-feira, 04, e a previsão era que elas acabassem no mesmo dia. O problema com a falta desse imunizante existe desde a semana passada, quando o município passou a limitar a quantidade de pessoas que iam receber a segunda dose. Na quinta-feira (29), um novo lote com 6,8 mil ampolas de CoronaVac desembarcou no estado. Salvador ficou com 3.330 delas. A Sesab, na ocasião, informou que juntou as vacinas entregues pelo MS com um estoque remanescente que estava guardado. 

No último sábado, 30, o estado recebeu mais um lote de CoronaVac, segundo a coordenadora de imunização Vânia Rebouças, e Salvador ficou com 4 mil doses. Essa quantidade não é suficiente para imunizar os 54 mil pendentes, o que fez a SMS escalonar o acesso às novas aplicações. No final de semana (1º e 2 de maio), por exemplo, só tomou a vacina as pessoas cuja data da segunda dose estava marcada para os dias 29 e 30 de abril.  

Já na segunda-feira, 03, foram imunizadas apenas as pessoas com nomes iniciados com as letras A e B que estavam com a data de reforço marcada para o sábado (1º). Ontem, foram somente as pessoas com nomes que começam com C, os que fizeram agendamento e os que foram vacinados com a primeira dose através do serviço Vacina Express (em domicílio). 

Medo de ficar sem vacina

Com a fila crescente dos atrasados para tomar a segunda dose da CoronaVac, quem precisa do imunizante se vê preocupado com a situação. A servidora municipal Celeste Natividade, 61 anos, tem que tomar o reforço no sábado (08), mas com o cenário de falta de doses, tem o receio de não conseguir ser imunizada.  

“Estou morrendo de medo de não ter vacina. Sou vice gestora e coordenadora pedagógica do município. Como eu tenho comorbidades, estou trabalhando de forma remota e dependendo disso, da vacina, para retomar as atividades presenciais. Eu só volto quando estiver totalmente imunizada”, garante. Em Salvador, as aulas presenciais retornaram nessa semana.

Salvador está escalonando aplicação da segunda dose da CoronaVac para otimizar estoque baixo

(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

 A coordenadora de imunização do estado afirma que a segunda dose deve ser tomada mesmo depois do prazo estabelecido. “Quem atrasou a segunda dose, orientamos que procure os postos imediatamente após a chegada da vacina. Estamos enviando regularmente remessas para todos os municípios baianos, conforme a entrega do Ministério da Saúde”, afirmou Vania Rebouças.  

Responsável pela produção da CoronaVac no Brasil, o Instituo Butantan também disse, em nota, que para completar o esquema de imunização é fundamental o recebimento da segunda dose, mesmo que o intervalo seja superior aos 28 dias indicados na bula da vacina. Na última sexta-feira, 29, segundo o instituto, um lote de 600 mil doses foi entregue à pasta federal, totalizando 42 milhões de doses enviadas desde 17 de janeiro. “Mais 5 milhões começam a ser entregues nesta semana”, garante a entidade.  

“A responsabilidade pelo planejamento e logística de distribuição das doses, além da orientação técnica aos estados em relação à utilização dos estoques, é exclusiva do Ministério da Saúde. Todos os esforços para a importação dos insumos estão sendo feitos integralmente pelo Butantan e pelo Governo do Estado de São Paulo. E ressaltamos que questões referentes à relação diplomática entre Brasil e China podem sim afetar diretamente o cronograma de envio”, acrescenta a nota do instituto.

Para resolver essa questão diplomática, o Butantan disse também trabalhar diariamente em parceria com a Sinovac para antecipar a entrega de mais insumos. “O instituto pretende disponibilizar todas as 100 milhões de doses ao Ministério até 30 de agosto, antecipando em um mês o cronograma contratual, antes previsto para setembro”, completa o texto.  

*Com a orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro. 

Fonte: Correio