Senador Otto critica Nise Yamaguchi em CPI: 'não sabe nada de infectologia'

Titular da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, o senador Otto Alencar (PSD) protagonizou um longo e duro discurso em contraponto à médica Nise Yamaguichi, favorável ao uso de cloroquina no combate à pandemia, durante a sessão desta terça-feira (1) da comissão. Ele chegou a questionar a capacidade de atuação da especialista no combate à epidemia.

“Vou rebater a senhora onde a senhora trabalhou: no Hospital Einstein, onde não trabalha mais. A senhora pode internar doente, mas o seu contrato foi cancelado. Vou lhe passar o trabalho feito no Hospital Einstein por vários infectologistas – a senhora não é, é oncologista – com vários pacientes tratados, acompanhados, em que está provado que a hidroxicloroquina não tem efeito nenhum nem em pacientes leves, nem moderados”, afirmou Alencar. O parlamentar portava, nas mãos, o estudo, realizado junho em 2020, à médica.

“A senhora não pode pegar uma medicação usada para malária e lúpus, de repente aplicar e dizer que aplicou em trezentos e tantos pacientes e deu bom resultado, sem comprovar. Isso, do ponto de vista científico, não é honesto. Eu jamais faria isso. É fundamental que se faça os exames todos para comprovar como foi a evolução do paciente com a medicação, o que aconteceu do ponto farmacológico, farmodinâmico, farmocinético, como a droga se desenvolveu dentro do organismo do paciente e quais os efeitos da droga”, completou.

O médico, no momento de maior tensão, questionou a capacidade da médica para opinar ou assessorar o governo federal. “A senhora não é infectologista, se transformou de uma hora para outra, como muitos no Brasil se transformaram em infectologistas, e não é assim”, insistiu o senador. “A senhora não sabe nada de infectologia. Nem estudou, doutora. A senhora foi aleatória mesmo, superficial. A senhora não poderia estar debatendo um assunto que não é do seu domínio. Isso não é honesto, doutora. A medicina e a ciência querem honestidade, verdade, integralidade, capacidade intelectual, científica, para dissertar a respeito de uma doença tão grave quanto essa, que muitos médicos infectologistas ainda não dominam. A senhora foi aleatória, simplória, não se aprofundou na matéria”, criticou. 

Fonte: Agencia Brasil