Busca por seguro residencial cresce até 76% na Bahia

Cuidando da casa
O segmento de seguros se adaptou bem à realidade imposta pela pandemia do coronavírus. As vendas de produtos relacionados à proteção das residências e de vida estão bombando. “A proteção traz um valor agregado, que é o fato de não se utilizar o seguro apenas em casos de acidentes, mas até mesmo na manutenção da casa”, conta Antonio Edmir Ribeiro, diretor territorial da MAPFRE para as regiões Nordeste e Norte. Segundo ele, aqui na Bahia, o segmento de modo geral cresceu 21% no primeiro trimestre, enquanto a Mapfre registrou uma expansão de 62%. Outra modalidade que também cresceu no período foi o seguro de vida. 

Projeção de alta
Embora destaque a importância da pandemia para o movimento, Ribeiro acredita que há uma maior consciência da população em relação aos riscos. O mercado nacional conta com mais de 115 seguradoras, que arrecadou R$ 275 bilhões no ano passado – a Mapfre alcançou 18,4% e cresceu 5% em relação a 2019. “Esse crescimento também se espelhou no lucro, que foi 40% maior”, conta. Mas que ninguém se engane com o bom desempenho alcançado, há espaço para crescer bastante, acredita o executivo. “O Brasil é o oitavo em potencial num universo de 100 países. A expectativa é que esta indústria dobre de tamanho aqui entre cinco e dez anos”, projeta. 

Procura
O Grupo Bradesco Seguros registrou uma alta de 62% na região Nordeste pelo seguro residencial neste primeiro trimestre. Na Bahia, o crescimento foi de 76%. A companhia superou a marca de 1864 atendimentos mensais no Nordeste em serviços do produto Residencial. “Em tempos em que o trabalho foi parar dentro das residências, elas ganharam uma atenção ainda maior na vida de todos. O uso de serviços, como encanador, eletricista e técnico em eletrodomésticos, ganha cada vez mais importância no dia a dia”, destaca Rodrigo Herzog superintendente executivo de operações da seguradora. Em 2020, por exemplo, houve uma alta de 41% de acionamentos de assistências, em todo o Brasil, em relação ao ano de 2019. A tendência é de um crescimento ainda maior para 2021.

Compensa
A Gol Linhas Aéreas está investindo numa nova frente rumo à sustentabilidade. Ao mesmo tempo em que investe em aeronaves mais eficientes – a frota Max promete uma economia de 15% no consumo – e trabalha no desenvolvimento de combustíveis renováveis para a aviação, a empresa vai oferecer aos passageiros a possibilidade de compensarem o carbono emitido nas viagens. A partir de amanhã, depois de comprar a passagem, o cliente vai receber um link por email, onde será informado sobre a quantidade de carbono gerada e pagar pela compensação, caso queira. Os valores não devem ser um impeditivo para proteger algo que não tem preço, aposta a empresa. No caso da ponte aérea Rio-São Paulo, por exemplo, a projeção da empresa é de um investimento de R$ 10. 

Sustentabilidade
Entre janeiro e abril de 2021, a Cicloteo realizou a coleta e reciclagem de cerca de 24.680 lâmpadas na Bahia. Representante da Reciclus no estado e em Sergipe, a empresa realiza o serviço sem custos para os consumidores baianos, através de coletores em pontos comerciais. Segundo a empresa, este ano houve um crescimento de 85% no recolhimento desses materiais.

Sucesso lá fora
A baiana Major – que tem sedes em Salvador, Lisboa e Maputo –  está tocando está tocando empreendimentos imobiliários que devem gerar um volume geral de vendas (VGV) superior a 200 milhões de euros (R$ 1,2 bilhão, na cotação de ontem) até 2023.  A empresa aposta em quatro novos empreendimentos em Lisboa e áreas próximas à cidade. “Alcançamos alguns objetivos muito positivos e os números são só consequência do nosso trabalho”, celebra o CEO da empresa Gabriel Costa. 

Impacto
Para 55,4% das revendedoras da Avon, o trabalho com os produtos da marca renderam o poder de decisão sobre como gastar o seu dinheiro, aponta a Pesquisa Impulso, com mais de 1 mil entrevistadas em todo o Brasil. Os resultados mostram como a Avon impacta a vida dessas mulheres. Dois terços delas registraram que, por conta da atividade, raramente ficam sem dinheiro; e 74% disseram que a renda gerada pela atividade é importante para as contas da casa. A cada 100 Representantes, 77% são das classes C, D e E; 47% concordam que a nova rede de clientes já gerou oportunidades de emprego e negócios para a família; e 61% aumentaram a rede de contatos.

Otimismo
Seguindo uma tendência global, a indústria de Energia, Serviços de Utilidade Pública e Recursos Naturais (EUR) demonstra otimismo para os próximos 12 meses, de acordo com a 24ª edição da Pesquisa Global com CEOs da PwC. Entretanto, embora esse otimismo seja superior ao verificado em outros segmentos (como da indústria de consumo, por exemplo), está levemente abaixo do observado de forma geral: enquanto 76% dos CEOs da indústria acreditam em um desempenho melhor da economia mundial em 2021 – quase 20 pontos à frente do recorde anterior de otimismo –, 74% dos que atuam em EUR acreditam em melhora, com 11% apostando em estabilidade e 14% em desaceleração.
 

Fonte: Correio