'Líder firme e corajoso', diz presidente da OAB sobre perda de Saul Quadros

Compromisso com a liberdade e com a justiça, somado à uma fala cativante. Foram esses alguns dos elementos que fizeram de Saul Venâncio de Quadros Filho um dos grandes juristas baianos e que o levou até a presidência da Ordem dos Advogados da Bahia (OAB-BA). Por volta da 1h desta quarta-feira (2), Saul faleceu, aos 79 anos, no Hospital Aliança, em Salvador, vítima de complicações decorrentes da covid-19. O velório aconteceu às 16h, no Jardim da Saudade.

O advogado estava internado desde abril, quando precisou receber transfusão de sangue. A esposa de Saul, a desembargadora do trabalho aposentada Ismênia Quadros, em março, chegou a ser internada também por conta da covid-19. 

Além da esposa, Saul Quadros tinha três filhos, os advogados Daniela, Ludmila e Saul Neto, que é presidente da Comissão de Direito Condominial da OAB-BA. Saul deixa ainda sete netos. A OAB-BA e a OAB Nacional decretaram luto oficial de três dias em memória do ex-dirigente.

Segundo o presidente da OAB-BA, Fabrício Castro, a morte de Saul Quadros “é uma grande perda para a classe, que se despede de um advogado, um ex-presidente com relevantes serviços prestados à Ordem. Sinto bastante o falecimento dele e me solidarizo com a família e amigos”.

O presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz, também lamentou o falecimento.

“A perda do querido amigo Saul Quadros é mais uma violência desses tempos. Líder firme e corajoso, Saul deixa saudades e amigos. Agradeço por seus conselhos durante toda a minha jornada, em especial nos últimos anos”, declarou. 

Trajetória

Saul Quadros nasceu em Vitória da Conquista, vindo posteriormente para Salvador. Na capital, foi estudante de Direito da Universidade Federal da Bahia, onde foi líder estudantil e presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE), chegando a ser preso por quarenta dias na ocasião do golpe militar de 1964. Em 1966, concluiu o bacharelado, seguindo uma carreira de militância nas áreas do direito público, cível, empresarial e trabalhista. 

Saul foi presidente da Caixa de Assistência dos Advogados da Bahia (CAAB) de 1979 a 1981, conselheiro federal e estadual da OAB e vice-presidente da Associação Brasileira dos Advogados Trabalhistas (ABRAT). De 1986 a 1989, exerceu o cargo de procurador geral do Município de Salvador e também foi presidente da Caixa de Assistência dos Advogados da Bahia (CAAB). 

Elegeu-se Vice-Presidente em uma das gestões do Presidente Thomas Bacelar e Presidente da OAB-BA em duas gestões consecutivas, pelo voto da classe, de 2007 a 2012. Era membro do Instituto Brasileiro dos Advogados (IAB), da Associação Brasileira de Direito Constitucional (ABDC), da Associação Ibero-Americana de Direito do Trabalho e da Associação Baiana de Advogados Trabalhistas. 

Em 2011, o advogado foi agraciado com a Comenda Ministro Coqueijo Costa, da Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho da Bahia, uma homenagem do TRT5, no grau Grande Oficial. A honraria é concedida a personalidades que contribuem com a Justiça do Trabalho e a sociedade. Saul também fundou há mais de 40 anos o escritório de advocacia Saul Quadros Advogados Associados, empresa familiar onde seguia atuando.

Outra paixão era o magistério superior. Tendo sido pós-graduado em Didática do Ensino Superior, foi professor de Direito Constitucional e Direito do Trabalho da UCSAL por décadas e muito querido pelo alunado por sua dedicação ao ensino, didática e compromisso com o Estado Democrático de Direito, além do carinho que tinha pelos seus alunos que o escolheram em diversas ocasiões para paraninfar turmas. 

Amava também o Esporte Clube Bahia. Saul integrou o MRB, o Movimento de Renovação do Bahia, que ainda no final dos anos 80 defendia democracia no clube, ao lado de nomes como Antonio Miranda, Virgílio Elísio, Edmundo Pereira Franco, Luís Osório Vilas Boas, Antonio Pithon entre outros. Participou em 2013 do movimento que resultou na democracia no clube e foi eleito conselheiro do clube na primeira eleição democrática do Tricolor. 

Amigos

O jornalista e pesquisador Nestor Mendes, foi um dos que acompanhou de perto a paixão de Saul com o Bahia, sendo conselheiro do clube na eleição de 2013 ao lado do advogado.

“Uma grande voz da torcida e uma voz no campo jurídico. Ele foi muito importante, até mesmo decisivo, para a democratização, quando passamos a ter eleições diretas. Chegou até a ser cogitado como presidente por algumas vezes, mas não assumiu a candidatura”, declarou Mendes. 

“Ele era uma figura marcante e respeitada, que fazia com que todos prestassem atenção no que ele dizia. Apesar de ser bastante ponderado e equilibrado, nessas questões que lhe moviam ele ficava entusiasmado e tinha sempre uma palavra crítica e dura, quando preciso”, completou.

O presidente do Instituto dos Advogados da Bahia (IAB), Carlos Rátis, falou sobre as qualidades profissionais e pessoais do colega e amigo Saul. “Saul foi um bom gestor e organizou a instituição OAB como um todo para que, quando os mandatos dele terminassem, ele entregasse a instituição bem encaminhada. Ele era um homem encantador e sempre se mostrou um profissional que tinha a necessidade de cuidar do outro, inspirando todos à sua volta com os valores que ele cultivava de um profissionalismo competente. Tudo sem nenhuma hipocrisia, ele era o exemplo vivo de tudo que pregava”, elogiou.

“Saul foi muito perfeccionista e buscou sempre fazer tudo da melhor forma possível e com a melhor técnica possível. Além disso, era muito humanista, sempre empático e carinhoso. Ele também era um ser humano muito ligado à família, valorizava cada um e falava muito dos filhos, dos netos e da esposa”, acrescentou o presidente. 

O diretor do IAB, Antonio Menezes Filho, em nota, também ressaltou o exemplo profissional que Saul passava e seu legado. “Como advogado, foi incansável. Nunca deixou um dia sequer a militância e pregava a ética profissional por onde andava, com palavras fortes e com o eloquente exemplo. Daí ser admirado até por eventuais adversários políticos que lhe reconheciam a competência, o talento, a ética e o amor à profissão. Certa feita, fora de mandato na OAB, lhe indaguei se não pensava na política tradicional, ao que retrucou: ‘Não amigo, a minha paixão, além da minha família, é a Ordem!’”, declarou.  

Homenagens

A Procuradoria Geral do Município de Salvador (PGMS) publicou que “a Bahia perdeu um dos seus mais ilustres juristas, que prestou diversos serviços a toda a classe dos advogados, nos períodos em que exerceu o cargo de presidente da Ordem dos Advogados da Bahia(OAB)” e manifestou solidariedade à família e amigos de Saul. 

O presidente da Caixa dos Advogados (CAAB), Luiz Coutinho, lamentou o falecimento do ex-presidente da OAB-BA. “Saul foi uma pessoa que devotou a vida à advocacia e que nos deixou, perdendo a batalha para a Covid. Ficam aqui nossos pêsames. A Ordem e a Caixa estão mais tristes hoje”. 

A Universidade Católica também se solidarizou com a família do professor e advogado “que formou gerações de alunos da UCSal e com tantos serviços prestados à advocacia e à sociedade baiana. Agradecemos, penhoradamente, por todo seu legado”, disse em nota. 

A Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista manifestou pesar pelo falecimento de Saul. “À família e amigos, a prefeita Sheila Lemos e equipe prestam condolências e solidariedade”, publicou.

O prefeito de Feira de Santana, Colbert Filho, também lamentou a morte do advogado e ex-presidente da OAB. “Me solidarizo aos familiares e amigos de Saul Quadros, um grande jurista e de relevantes serviços prestados à OAB. Neste momento de tamanha dor, estimo o meu pesar e as minhas condolências”, disse Colbert.

A diretoria do Esporte Clube Bahia manifestou solidariedade aos familiares e amigos do tricolor e afirmou que solicitou a realização de um minuto de silêncio em referência a Saul antes do jogo de sábado (5), contra o Red Bull Bragantino, no estádio Abi Nabi Chedid, pela 2ª rodada do Campeonato Brasileiro.

*Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

Fonte: Correio