Empatar fora, ganhar em casa: Vitória quer manter cartilha diante do Náutico

Dizem que no futebol, e ainda mais nos torneios de pontos corridos, há uma certa ‘cartilha’. Nenhuma novidade para os mais assíduos ao esporte: para se ter sucesso, é preciso pelo menos empatar fora de casa e vencer como mandante.

Será que o Vitória de Rodrigo Chagas está com a cartilha em mãos? O fato é que o time empatou em Campinas com o Guarani, em 1×1, na 1ª rodada da Série B, na sexta-feira (28). Agora, joga no Barradão contra o Náutico pela competição.

O duelo pela 2ª rodada da Série B ocorre nesta segunda-feira (7), às 20h. Falando em seguir a cartilha, o Náutico fez a parte dele. Na estreia, bateu o CSA por 1×0 no Recife.

O Timbu também conta com a vantagem de ter descansado mais. O último compromisso do time pernambucano foi justamente o do dia 28 de maio, contra os alagoanos. Já o Vitória jogou na quinta-feira (3), em casa, contra o Internacional, pela Copa do Brasil. Perdeu por 1×0.

Esse jogo, inclusive, ainda está marcado na memória. E é o balizador para uma mudança de postura da equipe diante do Náutico: “Temos que ser mais agressivos nesse jogo. Analisando o jogo passado, pela Copa do Brasil, foi o que nos faltou. Temos que ser mais agressivos, impor nosso estilo de jogo em casa”, disse Roberto.

O lateral esquerdo, por sinal, é a única alteração confirmada na equipe de Rodrigo Chagas. Isso porque o titular da posição, o jovem Pedrinho, de 18 anos, acabou expulso diante do Guarani. Roberto tem 12 jogos pelo Vitória neste ano, sete deles como titular.

“A gente espera um jogo difícil, sabemos da qualidade do Náutico. Cada jogo para a gente é como uma final. Quando mais pontuarmos, melhor será lá na frente. Temos totais condições de sairmos vitoriosos. Expectativa para isso é muito boa”, disse Roberto.

Boas estreias

Essa será a primeira partida do Leão em Salvador pela Série B. E o time costuma estrear bem em casa por essa competição. Em oito participações, foram seis vitórias, um empate e apenas uma derrota. O aproveitamento é de 79,1%.

Está nessa conta de vitórias as duas últimas estreias em casa, nas edições 2019 e 2020 da Série B. No ano passado, pela 1ª rodada, o Leão bateu o Sampaio Corrêa por 1×0. E no ano retrasado, pela 2ª rodada, venceu o Vila Nova por 2×1.

A única derrota nas estreias no Barradão ocorreu em 2015, justamente o último ano em que o Vitória conseguiu, por fim, o acesso. Naquela ocasião, perdeu por 2×0 para o Sampaio Corrêa, pela 1ª rodada, sob comando de Claudinei Oliveira.

E o único empate? Foi em 2012, ano do penúltimo acesso rubro-negro, quando ficou em 2×2 com o América-RN, pela 2ª rodada, já sob comando de Carpegiani.

Pelo desempenho do Vitória de Rodrigo Chagas no Barradão neste ano, é possível, sim, acreditar que a cartilha será mantida. O Leão está com um aproveitamento de 60,6% em sua toca. São seis vitórias, dois empates e três derrotas.

As derrotas em casa ocorreram pelo Baianão – contra Doce Mel, 0x1, e Jacuipense, 1×2 – e  pela Copa do Brasil, já mencionada, para o Internacional. Na Copa do Nordeste, portanto, competição em que o Leão usou a sua força máxima neste começo de 2021, acabou passando invicto.

O lado pouco auspicioso dessa história é que o Timbu não costuma se intimidar no Barradão. O time pernambucano passou ileso pelo Vitória nas três últimas vezes em que visitou Salvador. No ano passado, pela Série B, as equipes empataram em 0x0, pela 23ª rodada.

Em 2019, pela Copa do Nordeste, o Timbu também arrancou um empate, por 1×1. E em 2015, quando disputaram a Série B, o alvirrubro surpreendeu vencendo por 3×2. A última vez em que o Vitória venceu, portanto, foi em 2013, quando as equipes estavam na Série A: 2×1 para o Leão.

Sem outros desfalques além de Pedrinho, Rodrigo Chagas deve ir a campo com um time muito semelhante ao que enfrentou o Internacional. A única dúvida é se Fernando Neto será mantido como titular ou se perderá a vaga para Cedric ou João Pedro:

Ronaldo; Raul Prata, Marcelo Alves, Wallace e Roberto; Gabriel Bispo, Fernando Neto e Soares; Guilherme Santos, Samuel e David.

Aproveitamento no Barradão na temporada:

11 jogos – 6 vitórias, 2 empates, 3 derrotas – 60,6%

Estreias pela Série B como mandante:

1992 Vitória 2×0 Anapolina – rodada 1
2005 Vitória 2×0 Vila Nova – rodada 2
2007 Vitória 5×1 Avaí – rodada 1
2011 Vitória 1×0 Vila Nova – rodada 1
2012 Vitória 2×2 América-RN – rodada 2
2015 Vitória 0x2 Sampaio Corrêa – rodada 1
2019 Vitória 2×1 Vila Nova – rodada 2
2020 Vitória 1×0 Sampaio Corrêa – rodada 1

8 jogos, 6 vitorias, 1 empate, 1 derrota – 79,1%

Fonte: Correio