Salvador registrou 462 festas com aglomeração até o último fim de semana

Faz mais de um ano que muitos baianos não colocam o pé em uma festa por conta da pandemia, mas para outras pessoas a vida já voltou à normalidade, mesmo sem estarem vacinadas. No último fim de semana foram registradas 19 aglomerações em Salvador, e desde que o ano começou foram 462 tumultos dispersados.

A festa é sempre de galera e o endereço é variado. No último fim de semana teve multidão em São Marcos, Boca do Rio, Cassange, Canabrava, Praia do Flamengo, Jardim das Margaridas, Itapuã, Engenho Velho de Brotas, Ondina, Barra, Matatu, Garcia, Tororó, Saúde, e São Marcos. Os registros foram feitos pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur).

Operações acontecem desde o ano passado (Foto: Sedur/ Divulgação)

Algumas aglomerações acontecem no meio das ruas, como o paredão que ocorreu no Brongo, no domingo (6), e outras, em casas de show de forma clandestina, como a que teve em um bar, em Periperi, no Subúrbio Ferroviário. Mais de 100 pessoas, a maioria jovens, estavam reunidas sem máscara.

A direção do 071 Boteco divulgou nas redes sociais que o estabelecimento estaria fechado no domingo para resolver questões técnicas, e que voltaria na segunda-feira com um show de cavaco, às 17h. Mas abriu as portas no domingo e colocou uma multidão para dentro para assistir ao show do vocalista da banda Lá Fúria, Bruno Magnata.

O cantor já havia sido flagrado há duas semanas em outra aglomeração. Na época, ele fez um vídeo se desculpando, mas dizendo que precisava trabalhar para pagar as contas. Desta vez, Bruno não falou diretamente sobre o caso, mas publicou outro vídeo nas redes sociais em que o cantor Gusttavo Lima comenta sobre a pandemia e pede para que a população não julgue quem sai de casa para trabalhar.

Em nota, o 071 Boteco informou que a casa de show foi alugada por um cliente para realização de uma festa de aniversário, e que as atrações e as bebidas foram todas por conta do aniversariante. “Não é política da casa a cultura de aglomeração, inclusive não estávamos cientes da presença do cantor Bruno Magnata”, diz a nota.

Em relação ao show programado para as 17h de segunda, e que foi anunciado nas redes sociais do bar, a empresa informou que cancelou o evento porque a casa precisa solucionar problemas técnicos.

O local foi interditado pela Sedur. A assessoria informou que o estabelecimento estava realizando um evento com bandas e venda de bebidas alcoólicas, desrespeitando os decretos de combate ao coronavírus. Além disso, a empresa foi autuada, os equipamentos de som foram apreendidos e as pessoas foram dispersadas. A ação contou com o apoio das Polícias Militar e Civil.

Equipamentos de som apreendidos durante a operação (Foto: Sedur/ Divulgação)

Fiscalização
Desde o início do ano até este domingo, os fiscais da Sedur dispersaram 462 aglomerações em Salvador, 19 apenas no último fim de semana. Até agora, foram 14.007 denúncias de poluição sonora na capital, com 4.446 vistorias e 468 equipamentos apreendidos. Os bairros mais denunciados são: Itapuã, Paripe, Pernambués, Liberdade e Boca do Rio.

Já a Polícia Militar informou que, entre 19 de fevereiro e 20 de maio, encerrou 1.397 aglomerações e realizou 357 prisões em razão de descumprimento de decreto em toda a Bahia. A corporação atua em apoio aos órgãos de fiscalização ou através de solicitações pelo 190.

Enquanto as autoridades travam uma queda de braço com os furões da quarentena os números da pandemia continuam subindo. O estado superou a marca de 1 milhão de infectados, e o vírus já deixou 21.794 famílias de luto. Atualmente, 84% das vagas nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) estão ocupadas na Bahia, e 80% em Salvador, na rede pública e na rede privada.

O governador Rui Costa (PT) e o prefeito Bruno Reis (DEM) estão pedindo reiteradamente que a população não participe de aglomerações para diminuir o avanço do vírus, porque se houver risco de colapso no sistema de saúde eles terão que adotar medidas mais duras para evitar o caos. Tanto Estado como Município afirmam que estão no limite dos recursos.

Praias
O feriado prolongado também foi um desafio para as equipes da Guarda Civil Municipal de Salvador (GCMS). Banhistas desrespeitaram o decreto que determina o fechamento desses espaços aos fins de semana e feriado e ocuparam a areia, mesmo com chuva. Dezenas de pessoas se aglomeraram no trecho próximo ao Clube Espanhol, mas foram localizadas e dispersadas pelos agentes.

“A Guarda inicialmente contabilizou um movimento tranquilo, por conta das chuvas, contudo houve um aumento da demanda em algumas praias, como Itapuã, Amaralina e Piatã, onde os agentes retiraram diversas pessoas, que inclusive jogavam futebol”, afirma a GCM, em nota.

Houve registro de aglomeração também na Boa Viagem. Os agentes pediram o apoio e a compreensão da população, e afirmaram que é impossível manter guardas fixos ao longo dos mais de 60km de faixa de areia.

As denuncias de aglomeração são registradas pela Ouvidoria do Município e podem ser feitas através dos telefones: 160 (Dique Coronavírus) ou 156 (Fala Salvador). A Polícia Militar também pode ser acionada nesses casos, através do 190.

Interior
No interior do estado a situação não está muito diferente da capital. No sábado (5), uma festa tipo paredão com 200 pessoas foi encerrada no centro da cidade de Teodoro Sampaio, no Centro-Norte. A Polícia Militar chegou até o local depois de receber uma denuncia anônima. Três pessoas foram encaminhadas para a delegacia, e dois veículos com sons foram apreendidos.

Em Camaçari, na Região Metropolitana, uma multidão se reunião na Praça Hildete Reis, no bairro da Gleba B, para participar de uma festa. Foram necessárias quatro viaturas da PM e três equipes da prefeitura para dispersar a aglomeração. O Município está registrando as denúncias pelo telefone 0800 284 6734.

Já em Lauro de Freitas, também na Região Metropolitana, as autoridades encerraram uma festa com mais de 150 pessoas que acontecia em um sítio, no Cají, e uma barraca de praia em Buraquinho foi autuada por promover aglomeração, comercializar bebidas alcoólicas e não cumprir o horário de funcionamento estabelecido.

O município atuou em quatro festas no feriadão, informou que cerca de 1.600 pessoas foram abordadas, que realizou 51 vistorias por poluição sonora, uma abordagem veicular e uma apreensão de aparelho sonoro. Cerca de 100 estabelecimentos foram fiscalizados.

Fonte: Correio