Brasil tem primeiro caso de transmissão comunitária da variante indiana da Covid

O primeiro caso de transmissão comunitária no Brasil da variante indiana do coronavírus, identificada pela letra grega Delta pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi registrado em Goiânia, capital de Goiás, nesta semana. 

O secretário municipal de Saúde, Durval Pedroso, afirmou que uma paciente infectada pela Covid não esteve no exterior e também não teve contato com nenhuma pessoa que esteve fora do Brasil recentemente, o que induz à classificação de transmissão comunitária da doença, ou seja quando uma pessoa residente no país transmite o vírus para outra.

O Ministério da Saúde ainda não computou o caso em seu boletim epidemiológico diário.

A identificação da variante indiana foi feita em um estudo da Universidade Federal de Goiás em moradores do Estado. Ao todo, 62 pessoas foram testadas, e a variante foi verificada em uma jovem de 18 anos que teve sintomas leves da Covid, e não precisou ser internada, segundo o secretário de saúde.

“O poder público, frente a toda a sua responsabilidade de vigilância epidemiológica e normatização sanitária, chama atenção da população e a responsabilidade cívica de cada um para as normas de vigilância. Tomar cuidado com si e com os outros. Essa responsabilidade é de todos”, alertou o secretário sobre o risco da transmissão acelerada da variante indiana.

A OMS alertou que a variante indiana está prestes a se tornar dominante globalmente dada a sua maior transmissibilidade.

No Brasil, segundo o último boletim do Ministério da Saúde, já foram registrados casos de pessoas infectadas pela variante indiana do coronavírus em Minas Gerais, Maranhão, Paraná e Rio de Janeiro, mas todos os casos de contágio não comunitário.

Fonte: Agencia Brasil